Esse buraco negro come um sol a cada dois dias, crescendo mais rápido do que todos os outros já descobertos

Esse buraco negro come um sol a cada dois dias, crescendo mais rápido do que todos os outros já descobertos

Por Natasha Romanzoti, em 15.05.2018
Astrônomos da Universidade Nacional da Austrália descobriram um buraco negro tão brilhante que, se estivesse em nossa galáxia, superaria todas as estrelas no nosso céu e até mesmo a lua cheia.
Mas como um buraco negro pode ser assim tão brilhante? Comendo muito.
Esse monstro supermassivo também é o que cresce mais rápido já descoberto, devorando o equivalente a uma estrela como nosso sol a cada dois dias.

Sugando gás e emitindo luz

O buraco negro fica no centro de um quasar conhecido pelo “simples” nome de SMSS ~ J215728.21-360215.1.
Estima-se que sua massa seja o equivalente a cerca de 20 bilhões de sóis. Além disso, ele cresce extremamente rápido, a uma taxa de 1% a cada milhão de anos.
“Esse buraco negro está crescendo tão rapidamente que brilha milhares de vezes mais do que uma galáxia inteira, devido a todos os gases que ele suga diariamente e causam muita fricção e calor”, explicou Christian Wolf, um dos pesquisadores do estudo.
Caso esse monstro morasse no centro da Via Láctea, pareceria 10 vezes mais brilhante que a lua cheia. Nesse cenário hipotético, no entanto, não haveria ninguém na Terra para apreciar o show de luzes, já que o quasar emite grandes quantidades de raios-X que esterilizariam o planeta.

Buracos negros de crescimento rápido

Felizmente, estamos seguros a uma distância de mais de 12 bilhões de anos-luz de tal buraco negro.
Isso, por sua vez, significa que os astrônomos estão vendo o que ocorreu há 12 bilhões de anos, ou seja, logo após o Big Bang.
“Não sabemos como este buraco negro cresceu tanto e tão rapidamente nos primeiros dias do universo”, afirmou Wolf.
Os cientistas irão em busca de respostas, no entanto. Eles estão procurando por buracos negros grandes e de rápido crescimento, objetos extremamente raros, há vários meses com telescópio SkyMapper da Universidade Nacional da Austrália. Este foi encontrado em combinação com dados do satélite Gaia, da Agência Espacial Europeia, a ESA, e do Wide-field Infrared Survey Explorer (WISE), da Agência Espacial Norte-Americana, a NASA.
Conforme a caçada continua, os pesquisadores podem descobrir outros buracos negros de crescimento rápido, melhorando sua compreensão deste fenômeno.
Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista Publications of the Astronomical Society of Australia. [NewAttlas]

Postagens mais visitadas deste blog

Projetos Pyramon

Luz se torna superfluida a temperatura ambiente

Cartilha dos Impostos Municipais