Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias

Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias

Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias
A busca pelo projeto do carro perfeito está sendo substituída pela busca de uma mistura perfeita de tecnologias para construir os carros.[Imagem: Yan Liu et al. - 10.1509/jm.15.0315]
Mudanças no setor automotivo
Ao longo de sua existência, de pouco mais de um século, a indústria automotiva nunca se deparara com transformações como as que têm ocorrido recentemente.
As montadoras, até então acostumadas a deter o poder de decisão sobre as estratégias de desenvolvimento, fabricação e venda de novos modelos de veículos, têm visto sua liderança tecnológica no setor ser ameaçada por empresas antes tidas como fabricantes de autopeças, como Bosch, Denso, Siemens e outras. Segundo especialistas, essas empresas têm desenvolvido tecnologias que as montadoras não possuem e precisam adquirir.
"As montadoras ainda são os principais atores e que detêm mais poder na cadeia de produção da indústria automobilística. Mas, há alguns anos, começou-se a pensar que esses fornecedores de primeiro nível, que têm-se tornado empresas muito poderosas e detido tecnologias que as montadoras não conseguem dominar, podem sobrepujá-las," avalia o professor Roberto Marx, da Escola Politécnica da USP.
A afirmação foi feita durante o encontro da rede internacional de estudos sobre a indústria automotiva, que reuniu em São Paulo pesquisadores de diversos países com o objetivo de discutir as mudanças pelas quais tem passado o setor automotivo global.
Salto evolucionário
Com o aumento das ondas de eletrificação e de desenvolvimento de carros autônomos, as montadoras também passaram a ter sua hegemonia de poder ameaçada por empresas de tecnologia, como Tesla, Uber, Google, Amazon e Microsoft, entre outras, além de fabricantes de baterias e de outros equipamentos elétricos.
Essas empresas têm entrado e podem se tornar os principais atores e mudar a estrutura do setor e a própria natureza do negócio.
Na avaliação de John Paul MacDuffie, professor da Wharton School, nos Estados Unidos, a indústria automotiva passa atualmente por um momento de mudança disruptiva - um tipo de mudança radical que provoca uma ruptura com os padrões, modelos e tecnologias já estabelecidos no mercado.
"A grande questão, para a qual ainda não há resposta, é quem vai prevalecer nesse novo cenário de competitividade tecnológica no setor automotivo. Se serão os 'dinossauros', que nesse caso são as montadoras de veículos, as iniciantes, que são as empresas de tecnologia, ou ambos," disse ele.
Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias
Os carros elétricos terão motor nas rodas ou um motor só sob o tradicional capô? [Imagem: Eunice/Divulgação]
Carros elétricos e carros sem motorista
Os veículos elétricos, por exemplo, representam a primeira mudança fundamental no design dominante no setor automotivo desde 1920. E o automóvel - que já é um produto multitecnológico, composto por entre 5 mil e 10 mil componentes fabricados por uma cadeia de suprimentos global complexa de vários níveis - tem-se tornado ainda mais complexo.
"Os automóveis, que são objetos pesados e de movimento rápido que operam no espaço público, têm enfrentado demandas regulatórias ambientais, de transporte e de consumo cada vez maiores. As novas tecnologias estão aumentando ainda mais essa complexidade," disse MacDuffie.
Estima-se que, até 2030, aproximadamente 70% dos carros fabricados e comercializados no mundo estejam totalmente conectados à internet e que até um quinto da frota de automóveis em circulação no mundo seja composta por carros elétricos.
Os veículos autônomos também podem se tornar realidade em um futuro breve e reduzir o número de mortes no trânsito, mudar os serviços de transporte e o planejamento urbano, eliminar empregos e fornecer maior mobilidade aos deficientes e idosos.
"Se cada mudança perturbadora como essas que a indústria automobilística tem passado chegasse separadamente, as montadoras de veículos poderiam lidar melhor com esses problemas, como fizeram no passado," avaliou MacDuffie.
Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias
Há também tentativas de fazer carros sem motorista controlados por um software livre. [Imagem: Divulgação]
Previsões e realidade
Por outro lado, os carros elétricos, autônomos ou totalmente conectados à internet ainda estão longe de se tornar realidade e têm enfrentado uma série de barreiras tecnológicas, ponderaram os especialistas participantes do evento.
Dos 94,5 milhões de veículos vendidos no mundo em 2017, apenas 1 milhão (1,04%) eram elétricos e ainda não há um modelo de veículo totalmente conectado à internet ou completamente autônomo.
Alguns dos fatores que têm contribuído para limitar o avanço dos carros elétricos, por exemplo, são a baixa densidade energética (a quantidade de energia disponível) das baterias de lítio e a necessidade de um longo tempo de recarga.
Já no caso dos carros totalmente conectados à internet o desafio é prover conexão em alta velocidade e segura, de modo a impedir a ação de hackers. Por sua vez, os veículos autônomos, que ainda estão em escala experimental, precisam superar uma série de desafios relacionados à segurança e questões normativas.
"Todos esses desafios tecnológicos possibilitam a entrada de novos participantes, que têm competido com as montadoras na corrida pelo domínio tecnológico. Mas esses obstáculos tecnológicos também apresentam oportunidades de colaboração em pesquisa e desenvolvimento entre elas," afirmou MacDuffie.
Indústria automotiva à beira de um ataque de tecnologias
Uma nova geração de motores para carros elétricos pode se contrapor às vantagens tecnológicas dos motores nas rodas. [Imagem: Projeto Armeva/Divulgação]
Barreira e reações dos dinossauros
A indústria automobilística também tem seus trunfos: Em razão de investimentos em pesquisa e desenvolvimento anteriores aos feitos pelas empresas de tecnologia, as montadoras detêm hoje a maioria das patentes relacionadas a veículos elétricos e autônomos, e ainda dominam o mercado automotivo devido à função que exercem de integradoras do sistema. Mas as novas empresas ingressantes e de tecnologia podem ter a vantagem de dar grandes saltos para novos conceitos e modelos de negócios.
"Essa mudança pela qual passa a indústria automotiva no mundo não significa que as montadoras de automóveis se tornarão subcontratadas das empresas líderes em tecnologia, como Google, Apple e Facebook," avaliou Takahiro Fujimoto, professor da Universidade de Tóquio. "Elas poderão fazer cooperações inteligentes com essas empresas."
Há quase uma década, Fujimoto escreveu um artigo com MacDuffie, intitulado "Por que os dinossauros continuarão mandando na indústria automotiva". A conclusão dos autores na época era que, a despeito de muitos especialistas acharem que as novas empresas ingressantes no setor automotivo estão prontas para reinventar a indústria e que as montadoras caminham para a extinção como os dinossauros, estas últimas têm chances de vencer esses novos desafiantes pelo menos nas próximas décadas.
"Ainda continuamos apostando nisso. Mas, para isso, as montadoras precisarão se movimentar rapidamente e dar passos estratégicos," disse MacDuffie, citando que as fabricantes de veículos poderão contratar pesquisadores para ganhar experiência em novas tecnologias, como de baterias, desenvolvimento de software e sensores, entre outros, formar alianças umas com as outras para dividir os enormes custos de desenvolvimento de novas tecnologias ou aproveitar o conhecimento dos próprios fornecedores.
Alguns dos exemplos recentes incluem a BMW, que se associou à Microsoft e à Intel para desenvolver novos padrões de veículos autônomos. A Intel acabou adquirindo o controle da startup Mobileye, que, no fim de maio, anunciou ter assinado um contrato com uma montadora europeia para fornecer uma solução de direção autônoma. E a Ford se uniu ao Google, ao Uber, à Lyft (concorrente do Uber) e à Volvo para auxiliar no desenvolvimento da regulamentação de veículos autônomos.
"Embora as parcerias entre fabricantes de veículos sejam comuns, as novas colaborações ultrapassam os limites da indústria," avaliou MacDuffie.

Bibliografia:

Why dinosaurs will keep ruling the auto industry
John Paul MacDuffie, Takahiro Fujimoto
Harvard Business Review
Vol.: June 2010

Postagens mais visitadas deste blog

Projetos Pyramon

Cartilha dos Impostos Municipais

Construção de Edificações Multiandares em Aço O desenvolvimento do projeto de edificações multiandares é uma tarefa complexa e a obtenção de um projeto eficiente e bem sucedido é fundamental o trabalho de equipe, caracterizado por um perfeito entrosamento entre cliente, arquiteto, engenheiro estrutural e construtor. Essas construções são consideradas de baixa e média altura quando o número de andares vai até 30. O principal fator estrutural que interfere no seu planejamento é a definição de um sistema eficiente de vigas e colunas que suportem os carregamentos gravitacionais aplicados nos pisos. A necessidade de uma adequada resistência e rigidez lateral para resistir às cargas de vento é outro fator que se deve levar em consideração na determinação do sistema estrutural desses edifícios, em particular nas estruturas dos edifícios altos. Lajes e Vigamentos A estrutura dos pisos, composta da laje e do vigamento, deve transmitir as ações gravitacionais até as colunas, e, eventualmente, até aos contraventamentos verticais. De maneira genérica, pode-se dizer que dentro da compatibilidade com os vãos econômicos das lajes, o vigamento do piso é tanto mais econômico quanto menor for o percurso da carga até a coluna. A figura abaixo mostra que o vigamento principal pode ser em uma direção ou em duas direções dependendo da forma do edifício e ilustra também a transmissão das cargas da laje até as colunas quando a laje não tem vigamento suporte como em (a). (Clique nas imagens para ampliá-las) A maioria das lajes de piso (ou cobertura) utilizado nos edifícios estruturados em aço é de concreto armado. Na figura abaixo é ilustrado quatro diferentes tipos de laje: lajes do tipo convencional de concreto armado moldadas “in loco”, lajes (painéis individuais) de concreto celular autoclavados, lajes moldadas “in loco” usando forma metálica permanente (steel deck) e lajes pré-moldadas com enchimento de lajota cerâmica ou poliestireno expandido (Isopor). É importante saber que as lajes convencionais de concreto armado moldada “in loco” podem ser armadas de tal forma que permitam ser apoiadas em uma direção (armadas em 1 só direção) ou duas direções (armadas em cruz). Já os outros sistemas de laje são normalmente apoiados em uma única direção, e eles devem ser suportados por um sistema de vigas com espaçamento entre elas variando de 2 a 6 metros dependendo do tipo de laje. Com o objetivo de aumentar a eficiência estrutural do sistema de piso, as lajes de concreto armado podem ser ligadas as vigas de aço através de conectores de cisalhamento, que são soldados nas mesas superiores dos perfis, formando então o que é conhecido por viga mista (concreto-aço) como ilustrado na figura abaixo. Esse tipo de ação entre a laje e a viga reduz a altura do perfil metálico e pode ser obtido utilizando lajes moldadas “in loco” ou pré-fabricadas. A malha de colunas pode assumir varias formas dependendo do planejamento requerido pelo edifício. A próxima figura ilustra um layout típico de vigamento, que consiste numa serie de vigas secundárias paralelas de mesmo espaçamento que dependerá do vão admitido pela laje. As vigas secundárias são usadas junto com vigas primarias que determinam o espaçamento entre colunas que é mais ou menos quadrado. Uma variação deste arranjo pode ser obtida para acomodar requisitos do planejamento do edifício. Confira: Outra variação comum de um arranjo de vigamento de piso é o posicionamento de uma coluna para cada viga secundária no perímetro do edifício. A proximidade entre as colunas permite que elas sejam suporte para os elementos de fechamento da fachada do edifício. Este tipo de arranjo pode ser visualizado na ilustração abaixo: Como as estruturas de aço utilizam componentes pré-fabricados e também por um fator econômico, é desejável que estes elementos sejam padronizados, e este procedimento é facilitado se o vão dos principais elementos estruturais forem mantidos constantes. Quando vãos muitos longos são necessários nas estruturas dos edifícios é normal o uso de um sistema terciário de vigas. A figura acima ilustra este sistema. Ele é formado por vigas treliçadas de vão igual à largura do edifício que são mostradas em linhas tracejadas no plano do vigamento, e devido ao bom desempenho estrutural da viga treliçada, as colunas intermediárias indicadas pelos pontos “A” são desnecessárias. Outra possibilidade de vencer grandes vãos é a utilização de sistema conhecido por treliças interpavimentos como ilustrado na próxima figura. Que são treliças assentadas de tal modo que os pisos se apóiam na corda superior e na corda inferior das mesmas. Normalmente as colunas se situam na periferia permitindo boa flexibilidade no planejamento arquitetônico interno. Nos pavimentos com treliça, as paredes divisórias transversais ficam nos planos do treliçamento. No plano das treliças, as ações do vento são resistidas pelo quadro formado pelas colunas e treliças alternadas, enquanto que no outro sentido elas são resistidas por quadros rígidos, contraventamentos convencionais ou por paredes (ou núcleos) de cisalhamento. Sistemas de contraventamentos Da mesma forma que as estruturas de aço de coberturas os edifícios estruturados em aço necessitam de um sistema que garanta a estabilidade do conjunto estrutural. Este sistema pode ser composto de elementos que formam triângulos em determinados planos da estrutura ou por elementos que são unidos rigidamente. O edifício em quadro rígido tem uma eficiência estrutural limitada e normalmente alcança um número máximo de 20 pavimentos. Entretanto, quando os nós são rotulados, é necessário idealizar um sistema de estabilização lateral, e é uma prática normal que todas as ligações entre vigas e colunas sejam rotuladas, com colunas formadas por barras com rotulas a cada dois pavimentos como na figura abaixo. Este sistema totalmente formado por barras rotuladas tem muitas vantagens: a análise estrutural e a montagem da estrutura são muito simples; permite a acomodação das dilatações térmicas e de pequenos movimentos das fundações sem introdução de tensões na estrutura. Mas este sistema de nós rotulados é muito instável, e, portanto, um sistema de contraventamentos deve ser adicionado. Para dar a estabilidade necessária à estrutura formada por barras rotuladas um sistema de estabilização vertical em forma de diagonais ou diafragmas deve ser incorporado ao conjunto estrutural em duas direções ortogonais (mutuamente perpendicular). Este sistema por sua vez deve ser ligado a todas as outras partes do conjunto estrutural por um sistema plano de estabilização em cada pavimento (Ex.: lajes de concreto armado). A figura abaixo mostra esquematicamente as ações dos ventos atuando em um edifício de andares múltiplos. Em (a) as cargas de vento atuam na fachada externa da edificação que é transmitida aos pisos do edifício; em (b) o plano do pavimento absorve as cargas de vento, que aparecem em forma de uma carga uniformemente distribuída na extremidade da laje do piso, e que é transmitida a um sistema vertical de estabilização; finalmente em (c) um sistema vertical de estabilização é mostrado independentemente do resto da estrutura. As cargas recebidas por cada pavimento é indicada por uma seta horizontal, e estas são transmitidas a fundação por uma grande viga treliçada formada pelas colunas que estão ligadas por este sistema de estabilização vertical. Tipologia Estrutural As estruturas dos edifícios multiandares são solicitadas de acordo com as ações verticais e horizontais. As ações verticais são devido à carga permanente – peso próprio das vigas, colunas, lajes, escadas, fachadas, caixa d’água, alvenarias, revestimentos, etc. – e à sobrecarga – carga distribuída por metro quadrado nos andares, devido às pessoas, móveis e divisórias, e carga devido à água na caixa d’água, tubulações, etc. As ações verticais são absorvidas pelas lajes que as transmitem às vigas metálicas, que inclusive podem trabalhar em conjunto com as lajes, no caso de vigas mistas. As vigas transmitem as ações para outras vigas nas quais se apóiam ou diretamente para as colunas. As colunas transmitem as ações verticais diretamente para as fundações. As ações horizontais são provenientes do vento agindo sobre as faces expostas do edifício, provocando efeitos de pressão e sucção nas fachadas, de acordo com a sua forma externa e resultando numa força global de arrasto na estrutura. Os efeitos sísmicos também provocam ações horizontais nas estruturas; as Normas Brasileiras não consideram a existência desse efeito no nosso território. De qualquer forma, a magnitude de efeito de vento, agindo isoladamente ou em conjunto com qualquer outra ação que também provoque efeito horizontal, tem influência decisiva na solução estrutural a ser adotada: deve-se buscar a que resiste aos esforços horizontais de maneira mais econômica, observando-se os deslocamentos horizontais. Tipos de aço e perfis para estrutura metálica de edifícios A construção de edifícios com estrutura metálica é coisa antiga no exterior, principalmente nos EUA. No Brasil, esta tecnologia começou a chegar para valer há apenas alguns anos. Talvez por isto, alguns Arquitetos e Engenheiros, acostumados com estruturas de concreto armado, têm dificuldades para se adaptar à estrutura metálica. Para estes, mostraremos um pouco dos materiais utilizados em substituição às vigas, pilares e lajes convencionais. Nas construções com estrutura metálica a escolha do tipo de aço é feita em função de aspectos ligados a: Meio ambiente onde as estruturas se localizam; Previsão do comportamento estrutural de suas partes, devido à geometria e aos esforços solicitantes; Meio industrial com atmosfera agressiva à estrutura; Proximidade de orla marítima; Manutenção necessária e disponível ao longo do tempo. Os fatores acima influenciam a escolha de diversas maneiras. Por exemplo, condições ambientais adversas exigem aços de alta resistência à corrosão. Por outro lado, peças comprimidas com elevado índice de esbeltez ou peças fletidas em que a deformação (flecha) é fator preponderante são casos típicos de utilização de aços de média resistência mecânica. No caso de peças com baixa esbeltez e onde a deformação não é importante, fica mais econômica a utilização dos aços de alta resistência. Os aços estruturais utilizados no Brasil são produzidos segundo normas estrangeiras (especialmente a ASTM (American Society for Testing and Materials) e DIN (Deutsche Industrie Normen) ou fornecidos segundo denominação dos próprios fabricantes. Assim, os aços disponíveis por aqui estão listados na tabela abaixo: (Clique nas imagens para ampliá-las) Claro que há casos específicos, mas de maneira geral pode-se dizer que os perfis de aço utilizados na construção de edifícios de andares múltiplos são os mesmos empregados na construção de galpões e outras estruturas. Perfis para colunas As colunas de edifícios são dimensionadas fundamentalmente à compressão. São utilizados então perfis que possuam inércia significativa também em relação ao eixo de menor inércia, como é o caso dos perfis “H” que têm largura da mesa, igual ou próxima à altura da seção. A figura abaixo mostra alguns perfis utilizados como colunas: Perfis para vigas Os perfis de aço utilizados nas vigas dos edifícios são dimensionados pressupondo-se que terão a mesa superior travada pelas lajes. Neste conceito, as vigas não estarão portanto sujeitas ao fenômeno da flambagem lateral com torção. No caso de vigas bi-apoiadas, é comum usar vigas mistas onde o perfil em aço trabalha solidário com a laje, obtendo-se uma solução mais econômica. A figura abaixo mostra o funcionamento de algumas soluções para as vigas de estrutura metálica: Perfis para os contraventamentos As seções dos perfis para contraventamentos costumam ser leves. Sua escolha leva em conta a esbeltez e a a resistência aos esforços normais. No caso de edifícios a esbeltez das peças tracionadas principais é limitada a 240mm e das comprimidas limitadas a 200mm. Os perfis comumente utilizados são os da figura abaixo: Lajes de Piso As lajes deverão ser convenientemente ancoradas às mesas superiores das vigas, através dos conectores (vide a seguir) para que façam parte da “viga mista”. As soluções usuais para lajes, no caso de vigas mistas em edifícios de andares múltiplos, são mostradas a seguir: Laje fundida in loco É ainda a solução mais econômica no país, apresenta a desvantagem de exigir formas e cimbramentos durante a fase de cura. Laje com forma em aço, incorporada A laje é fundida in loco sobre forma de chapa de aço conformada, capaz de vencer os vãos entre vigas, e que inclusive passa a ser a ferragem positiva da laje. É um sistema que tem vantagem de prescindir, em boa parte dos casos, de formas e escoras durante a cura, liberando dessa forma a área sob a laje para outros trabalhos. Além disso, a seção transversal da forma abre espaço para passagem dos dutos e cabos de utilidades. Laje pré-moldada Nesse caso o painel pré-moldado de laje é colocado diretamente sobre a viga de aço sem a necessidade de escoramentos e com a vantagem da liberação imediata da área para outros serviços. Esse sistema exige cuidado especial para a execução da ancoragem da laje na mesa superior da viga de aço, com vistas ao funcionamento como viga mista. Conectores Os conectores têm a função de transmitir os esforços de cisalhamento longitudinal entre a viga de aço e a laje, no funcionamento da viga mista. Dentre os vários tipos de conectores, os mais usados são o pino com cabeça e o perfil “U”. O item 6.4 da NBR 8800 (Conectores de cisalhamento) apresenta as resistências dos conectores tipo pino com cabeça e perfil “U” e dá as diretrizes para o seu projeto e instalação. A Figura ao lado ilustra os diversos tipos de conectores. Paredes As paredes dos edifícios com estrutura metálica normalmente são de alvenaria, construídas com tijolo furado ou com tijolo de concreto leve. Dependendo da finalidade do edifício, as paredes internas são substituídas pelas paredes divisórias desmontáveis, que conferem flexibilidade ao layout do andar. As paredes externas normalmente são o resultado da combinação de vários materiais, para se obter o efeito arquitetônico desejado. Uma solução comum é a utilização de alvenaria com esquadria de aço ou alumínio para as janelas. Outra solução para as paredes externas consiste na utilização de painéis pré-fab