Microssensores de gás para localizar pessoas soterradas

Microssensores de gás para localizar pessoas soterradas

Sensores de gás para localizar pessoas soterradas
Drones e robôs também poderão ser equipados com os sensores de gás, permitindo que áreas de difícil acesso sejam vasculhadas. [Imagem: Andreas Güntner/ETH Zurich]
Detecção pelo cheiro
Estes minúsculos sensores são capazes de detectar pessoas pelo cheiro. A ideia é melhorar a busca de pessoas soterradas em acidentes, como terremotos, avalanches ou deslizamentos de terra.
Os cães de resgate treinados ainda são os melhores trabalhadores nessas horas, mas eles não costumam estar disponíveis imediatamente nas áreas de desastre, sendo necessário aguardar que as equipes e seus cães se preparem e viajem de longe.
A ideia de Andreas Güntner, do Instituto ETH de Zurique, na Suíça, é permitir que a defesa civil de cada localidade tenha seu próprio estoque de sensores, que poderão ser lançados imediatamente na área do acidente, evitando a perda de tempo precioso.
A equipe já havia desenvolvido microssensores de gás extremamente sensíveis, capazes de detectar acetona, amônia e isopreno - todos produtos metabólicos que emitimos em baixas concentrações através da respiração ou da pele.
Agora cada chip recebeu sensores de CO2 e umidade.
"A combinação de sensores para vários compostos químicos é importante porque as substâncias individuais podem vir de outras fontes além dos humanos. O CO2, por exemplo, pode vir de uma pessoa soterrada ou de algo queimando," disse Güntner.
Sensores para resgate e salvamento
Os primeiros testes comprovaram que essa combinação de sensores pode ser bastante útil na busca por pessoas acidentadas. Os pesquisadores usaram uma câmara de teste no Instituto de Pesquisa da Respiração da Universidade de Innsbruck, na Áustria, como um simulador de armadilhas. Os voluntários foram localizados em no máximo duas horas.
Aparelhos eletrônicos já são usados durante as operações de busca e salvamento, usando microfones e câmeras, mas eles ajudam a localizar apenas pessoas presas que são capazes de se fazer ouvir ou são visíveis sob as ruínas. A ideia de Güntner é complementar esses recursos com os sensores químicos.
Agora a equipe está procurando parceiros da indústria ou investidores para apoiar a construção de um protótipo. Drones e robôs também poderão ser equipados com os sensores de gás, permitindo que áreas de difícil acesso ou inacessíveis sejam vasculhadas.

Bibliografia:

Sniffing Entrapped Humans with Sensor Arrays
Andreas T. Güntner, Nicolay J. Pineau, Pawel Mochalski, Helmut Wiesenhofer, Agapios Agapiou, Christopher A. Mayhew, Sotiris E. Pratsinis
Analytical Chemistry
Vol.: 90 (8), pp 4940-4945
DOI: 10.1021/acs.analchem.8b00237

Postagens mais visitadas deste blog

Projetos Pyramon

Cartilha dos Impostos Municipais

Memória magnética ultrarrápida gravada com luz